quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Sobre o concurso da polêmica


Leitores de Guapimirim me escreveram ontem indagando sobre o concurso realizado pela Prefeitura em 2001, na gestão do prefeito Ailton Rosa Vivas, anulado depois pelo prefeito Nelson da Costa Mello, o Nelson do Posto. Fui buscar os esclarecimentos necessários e o fato é que o Ministério Público, através do promotor Thiago Veras impetrou três ações civis públicas contra esse processo de seleção, inclusive contra Ailton, por improbidade administrativa e o órgão responsável pela realização do certame. As irregularidades que geraram a anulação do concurso foram apontadas, na maior parte, pelo MP.
De acordo com as denúncias do MP teriam acontecido muitas contratações ilegais, com classificados distantes “furando” a fila. Teve uma procuradora que foi classificada em 44º lugar, mas convocada como se tivesse passado em primeiro lugar. Ela está brigando na Justiça até hoje e essa mesma Justiça já decidiu em favor da Prefeitura vários mandatos de segurança impetrados pelos aprovados desligados com a anulação do concurso. Ainda de acordo com as denúncias do MP, teve gente que nem prova fez e mesmo assim foi contratada como aprovado.
Sobre o novo concurso, já que me perguntaram se ele poderia ser aberto mesmo com tantos recursos interpostos em relação ao de 2001, a informação é de que a Prefeitura contou com orientação do MP, que pediu que fossem reservadas cerca de 300 vagas, por conta dos mandados de segurança que ainda não foram julgados. Dessas vagas cerca de 200 são para professores de 1ª a 4ª série dados como aprovados no concurso anulado.

3 comentários:

Anônimo disse...

Existe muita choradeira em relação ao concurso de 2001 feito pelo prefeito Ailton Vivas, mas o fato é que o Ministério Público encontrou mesmo muitas irregularidades.

Anônimo disse...

Qual a garantia que esse novo concurso não vai apresentar irregularidades? Ninguém é punido, não se devolve dinheiro. Parece proposital. Legal! Vou fazer uma empresa de concursos. E porque não obrigaram a empresa que aplicou o concurso a fazer outro de graça? Isso serve para Magé.

JUSTIÇA JÁ disse...

CARO ELIZEU, venho por meio desta esclarecer AOS CAROS LEITORES DESSE BLOG que nem todos que foram exonerados, tiveram participação dessa maracutaia. aliás no meu processo movido contra a prefeitura venci NAS três instancia. MUITO OBRIGADO PELO ESPAÇO DADO ELIZEU PIRES